m entrevista a Faa Morena, no ‘Ritmo Brasil deste sábado (22), o cantor Netinho de Paula fez revelações sobre sua longa carreira no pagode nacional. O músico revelou estar focado na carreira artística este ano e comentou as parcerias com Salgadinho, Chrigor e Dudu Nobre em apresentações pelo Brasil. Ao falar sobre os anos de carreira com o ‘Negritude Jr.’, sucesso nos anos 1990, Netinho acredita que a forma como o grupo se separou não foi adequada e confessou: “Eles se negaram a juntar o grupo novamente. Tentei muito, mas foram irredutíveis”. Apesar da distância, Netinho reconhece a importância dos antigos colegas e diz que “sem eles não teria chegado tão longe, não teria criado os filhos”. O músico também opinou sobre questões sociais e o racismo no Brasil. “Machuca muita a gente. Nos proíbe de mostrar o que o país tem de melhor, a miscigenação, raças e culturas. Você nunca vai encontrar uma pessoa que fale ‘não entre aqui porque não gosto de negro’.

Então, ela arruma outra desculpa”, diz ele. “Acho que as coisas só vão mudar se pararmos de chamar isso de ‘mimimi’. As cotas são uma mal necessário, já que não há bom senso”, completa. (Noticias ao Minuto)


O pré-candidato à Presidência Ciro Gomes, em evento da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na noite de quinta-feira (27), chamou o prefeito da capital paulista, João Doria, de “viado cheio de areia no c….”.

A informação é da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo. Os alunos que estavam presentes ficaram indignados com a declaração e divulgaram uma nota coletiva no grupo interno da faculdade no Facebook.

Ainda de acordo com a coluna, a nota de repúdio diz que “em um ambiente plural como a universidade, comportamentos como esse não devem ser tolerados, e os que mantém comentários preconceituosos, em um dos países menos tolerantes com LGBTs do mundo, incitam violência e preconceito e não devem merecer destaque nem o apreço da opinião pública.”

Leia a nota na íntegra

NOTA DE REPÚDIO COLETIVA A CIRO GOMES

No dia 27/4 a FDUSP viu a organização de um grande evento, com a presença de grandes figuras como Lindbergh Farias, Fernando Haddad e outros representantes do progressismo e de um novo projeto de Brasil contraposto ao momento atual de intolerância e retrocessos: O Projeto Brasil Nação. É lamentável que, nessa nova proposta, valores retrógrados e decrépitos como a homofobia se imiscuam.

O ex-governador e presidenciável Ciro Gomes, após uma pergunta provocativa de um aluno quando ele chegava ao evento, que insinuava que esse ia ser derrotado por João Dória na corrida presidencial, respondeu com as palavras: “Eu pego um viado cheio de areia no cu, que nem o João Doria, e encho de porrada”.

Covardemente, fora dos microfones e dirigindo-se apenas a um aluno, o suposto progressista dá as caras. Em um ambiente plural como a universidade, comportamentos como esse não devem ser tolerados, e os que mantém comentários preconceituosos e, em um dos países menos tolerantes com LGBTs do mundo, incitam violência e preconceito não devem merecer destaque nem o apreço da opinião pública.

Um candidato à presidência e quem se propõe a construir um novo projeto de Brasil, independentemente do seu tom político, não pode ter valores que mais dizem respeito ao Brasil arcaico e colonial do que ao projeto de país com direitos humanos para todos que vem sendo construído pelos brasileiros, como avanços como o reconhecimento da união homoafetiva demonstram.

Dito isso, por meio dessa nota, os estudantes apoiadores dessa nota convidam os alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco manifestam seu expresso repúdio às declarações de Ciro Gomes e à homofobia e se posicionam a favor dos direitos dos LGBTs e de uma luta organizada e consciente desses contra os que ainda insistem em tentar calar os milhões de LGBTs brasileiros.

As vozes LGBT não aceitarão as opressões e não serão silenciadas! Por direitos e por dignidade, NÃO NOS CALARÃO!

Via Cearnanews7 / Fonte: Folha de São Paulo


Um carro em que estavam três jogadores do Vitória, Rafaelson, Wallace e Flávio, foi baleado no bairro do Trobogy, em Salvador, na madrugada desta sexta-feira. A situação aconteceu quando os atletas retornavam para casa após o triunfo por 2 a 1 diante do Bahia, no Barradão, em jogo de ida da semifinal da Copa do Nordeste. Parte do vidro do veículo ficou foi quebrada, mas ninguém foi ferido. Em contato por telefone, os jogadores preferiram não se manifestar sobre o assunto. Segundo apuração do GloboEsporte.com, eles foram instruídos pela diretoria do clube a não falar com a imprensa. Augusto Vasconcelos, do departamento jurídico do clube, confirmou o crime e informou que o Vitória vai acompanhar a situação e cobrar providências. – Os jogadores estavam em um carro que foi fechado por outro. Nesse momento desceu um homem usando uma camisa do Vitória e realizou o disparo. A gente acha que foi alguém infiltrado, mas isso só a polícia vai poder dizer. O clube vai prestar todo apoio aos jogadores, eles ficaram muito assustados. Estamos acompanhando o caso e vamos cobrar as devidas providências da polícia – disse. Augusto também falou sobre a decisão da CBF para que a partida acontecesse com torcida única e questionou a segurança no entorno do estádio. – Tudo isso revela que o problema da segurança é grave e as questões de segurança acontecem de forma geral, com torcida única ou não. Repito que vamos cobrar para que as providências sejam tomadas, não vamos deixar isso passar impune – finalizou.


Apesar da greve dos trabalhadores dos Correios, iniciada ontem (26), a empresa disse hoje (27) que o serviço será prestado normalmente. Segundo os Correios, as agências estão abertas em todas as regiões do país e serviços como Sedex e Banco Postal estão disponíveis. Somente os serviços com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12 e Sedex Hoje) estão suspensos. A empresa informa que o movimento está concentrado principalmente na área operacional. Um levantamento feito por meio do ponto eletrônico mostrou que, na manhã dessa quinta-feira, 86,31% do efetivo dos Correios no Brasil estavam presentes ao trabalho. “A empresa esclarece que está cumprindo todas as cláusulas do Acordo Coletivo vigente e que considera a paralisação, neste momento delicado pelo qual passam os Correios, um ato de irresponsabilidade, uma vez que está, e sempre esteve, aberta ao diálogo com as representações dos trabalhadores”, disse a estatal, em nota. Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), os principais motivos da greve são a possibilidade de privatização e demissões, o fechamento de agências e o “desmonte fiscal” da empresa, com diminuição do lucro devido a repasses ao governo e patrocínios.

O Tribunal de Contas do Estado da Bahia decidiu responsabilizar a prefeita de Camamu, Ioná Queiroz Nascimento (PT), pela falta de devolução de recursos não utilizados de um convênio entre a prefeitura e a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. A quantia reclamada pelo tribunal é de R$ 10.649,01. O convênio foi firmado em 2008. A gestora recebeu multa de mil reais. Esse foi o mesmo valor da multa imposta ao ex-gestor do Fundo Estadual de Saúde, Egídio Borges Tavares Filho.


A Prefeitura de Itacaré realizou nesta quinta-feira, dia 27, o pagamento dos salários dos servidores públicos municipais referentes ao mês de abril. A medida, segundo explicou o prefeito Antônio de Anízio, faz parte do seu compromisso de governar Itacaré com transparência, responsabilidade e planejamento, realizando os investimentos na cidade, respeitando e valorizando os direitos dos trabalhadores.

No total, serão mais de dois milhões e meio de reais que circularão na cidade, aquecendo a economia local e fortalecendo o comércio do município. Desde que assumiu a administração, o prefeito Antônio de Anízio vem realizando o pagamento dos salários em dia. A proposta é continuar honrando com os pagamentos dos servidores, contratados e fornecedores, garantindo a credibilidade do governo e administrando os recursos públicos com responsabilidade, seriedade e compromisso com o povo de Itacaré.

A Prefeitura também vem realizando um trabalho de austeridade e enxugamento da folha de pagamento para atender à Lei de Responsabilidade Fiscal e poder realizar os necessários investimentos no município. O prefeito Antônio de Anízio argumenta que quando há planejamento e compromisso com o bem público é possível sim promover eventos que movimentem a cidade, realizar obras e investimentos nas mais diversas áreas e ainda assim pagar os salários em dia.


O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, decretou ponto facultativo nas repartições públicas municipais nesta sexta-feira (28), em apoio à Greve Nacional contra a reforma da previdência, pelo combate à terceirização e pela garantia dos direitos trabalhistas. De acordo com o decreto, para o atendimento dos serviços que não podem sofrer interrupção ficam mantidas as escalas de serviço.

A greve geral foi convocada pelas centrais sindicais em todo o Brasil em resistência aos diversos ataques feitos pelo governo Temer contra a classe trabalhadora. Dentre eles, a extinção da Previdência Social e da CLT, incluídas nas reformas da Previdência e trabalhista, o desmonte dos serviços públicos e a terceirização generalizada. Na avaliação do prefeito de Itacaré, as medidas propostas pelo Governo Federal representam um retrocesso para os trabalhadores, daí a importância de todos os segmentos estarem juntos nessa luta dizendo um basta às reformas e conclamando os parlamentares a não aprovar essa violação dos direitos.

Além da postura contrária à reforma da Previdência e trabalhista, Antônio de Anízio também está buscando organizar as contas da Prefeitura de Itacaré para que os direitos dos trabalhadores sejam assegurados, pagando os salários em dia e estando em conformidade com a legislação em vigor. Assim como Itacaré, diversas prefeituras em todo o Brasil, órgãos públicos estaduais, representantes de diversas categorias de trabalhadores e lideranças católicas e de igrejas evangélicas divulgaram posição oficial contra as reformas trabalhista e previdenciária e a retirada de direitos impostas pelo governo Michel Temer. Os religiosos expressaram também apoio à greve geral do dia 28 de abril.

Igrejas evangélicas brasileiras emitiram um pronunciamento oficial sobre as decisões tomadas com relação a Reforma da Previdência, em tramitação da Câmara do Deputados, entre elas a que cria novas regras na Previdência Social, levando os brasileiros a terem que trabalhar muito mais para conseguir se aposentar e praticamente tornando impossível o trabalhador receber o teto do benefício. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), instância máxima daIgreja Católica, no país, emitiu no último dia 23, uma nota de apoio à greve geral, aprovada em seu Conselho Permanente.

(Secom/Itacaré)